A relevância do capital intelectual nos centros de serviços partilhados: pesquisa exploratória sobre o contributo de três modelos de diferentes áreas de conhecimento

Luísa Domingues, Agostinho Sousa Pinto, Carlos Guterres

Resumo


Numa Economia baseada no conhecimento, o Conhecimento Organizacional e concomitantemente a sua gestão instigam a que este seja considerado um recurso que deve ser capturado e incorporado pelas organizações promovendo processos de inovação. Num contexto de Serviços Partilhados pelas características intrínsecas aos próprios conceitos de serviço e de partilha, o conhecimento organizacional, assume ou pode assumir diferentes preponderâncias em função de modelos mais convencionais ou outros considerados como novas formas de serviços partilhados tais como os Centros de Competências, Centros de Excelência, Centros de Especialidades ou Centros Técnicos.

Segundo Nonaka a criação de novo conhecimento acontece num processo contínuo de transformação de conhecimento tácito em explícito. Marciniak correlaciona os novos modelos de serviços partilhados com o conhecimento tácito e explícito. Domingues apresenta no modelo SSAM o conceito de Capital intelectual como a força propulsora da inovação e da qualidade ao serviço da eficácia.

O presente trabalho, utilizando uma abordagem qualitativa e um paradigma construtivista desenvolve uma investigação exploratória que pretende abrir pistas de reflexão e definir horizontes na confluência dos três modelos (Nonaka, SSAM e Marciniak) na gestão do conhecimento nos centros de serviços partilhados.


Texto Completo:

PDF

Referências


Allee, V. (2000). The value evolution - Addressing larger implications of an intellectual capital and intangibles perspective. Journal of Intellectual Capital, Vol. 10, Nº 1 17-32.

Bergeron, B. (2003). Essentials of Shared Services. New Jersey: John Wiley & Sons, Inc.

Bontis, N., Keow, W., & Richardson, S. (2000). Intellectual Capital and Business Performance in Malaysian Industry. Journal of Intellectual Capital Vol.1 No.1 85-100.

Brandenburger, A. M., & Nalebuff, B. J. (1997). Co-Opetition : A Revolution Mindset That Combines Competition . New York: Currency- Doubleday.

Carlsson, E., & Schurmann, A. (2004). Management control in Shared Service Centers - How to influence people in the striving towards organizational goals. LINKÖPING. Obtido de http://www.ep.liu.se/exjobb/eki/2004/iep/015/

Carvalho, J., & Morais, M. (2001). Sistemas Informáticos e Conhecimento Organizacional: Uma reinterpretação dos papeis desempenhados pelos Sistemas de Informação nas Organizações. CAPSI 2001 (pp. 1-16). Évora: APSI.

Cleveland, H. (1982). Information as a Resource. (pp. V16 n6 p 34-39). ERIC.

Davenport, T., & Prusak, L. (1998). Working Knowledge: How Organizations Manage What They Know. Boston, MA: Harvard Business School.

Deming, W. E. (2000). The new economics. MIT Press edition. Second edition.

Domingues, L. (2004). Modelo Integrado de Análise do Negócio Electrónico. Lisboa: ISCTE - IUL - Dissertação para provas de mestrado.

Domingues, L. (2013). Modelo de Análise de Performance para o Centro de Serviços Partilhados da Administração Pública Portuguesa. Lisboa: ISCTE.

Domingues, L., & Gomes, J. C. (2013). Lisboa: ISCTE-IUL.

Flick, U. (2014). An Introduction to Qualitative Research. (p. 5ª Edition). SAGE.

Frost, T., Birkinshaw, J. e Prescott, C. (2002). Centers of Excellence in Multinational Corporations. Strategic Management Journal, Vol 23, Nº 11, pp. 997-1018.

Gartner. (2008). Achieving Success with Shared Services. Gartner EXP Premier March 2008.

Horibe, F. (2002). KM and Innovation: can they thrive together? KM Review. Volume 5 Issue 2. May/Jun 2002. pp. 18-21.

IBM. (2005). Shared Services: Raising the game in public sector. London: IBM - Business Consulting Services.

IBM. (2008). Services science: a new academic discipline? IBM Research.

Leliaert, P., Candries, W., & Tilmans, R. (2003). Idenfifying and managing IC: a new classification. Journal of Intellectual Capital, (pp. 202-214).

Liebowitz, J., & Wright, K. (1999). Does measuring knowledge make ‘cents’? Expert Systems with Applications, Vol. 17 No. 5, pp. 99-103.

Lincoln, Y., & Guba, E. (2003). Ethics:The failure of positivist science. Turning points in qualitative research:Tying knots in a handkerchief (pp. pp. 219-238). Walnut Creek, CA:Altamira Press.

Longo, M., & Mura, M. (2010). A methology for measuring intellectual capital. A structural equations modelling approach. Advances in Measurement Systems, ISBN: 978-953-307-061-2 .

Marciniak, R. (2012). Center of Excellence as a Next Step for Shared Service Center. Journal of International Scientific Publication: Economy & Business, ISSN 1313-2555; 6, (3).

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro. Campus.

Penrose, E. (1959). The Theory of the Growth of the Firm. New York, NY: Wiley.

Pinto, A. (2010). E-learning as a shared service in Shared Services Center. Centeris 2010 - Conference on Enterprise Information Systems. Springer - Communications in Computer and Information Sciense.

Pinto, A. (2015) Um modelo para a Gestão do Conhecimento Organizacional no contexto dos Serviços Partilhados com recurso à utilização do e-Learning - Tese de Doutoramento.

Pinto, A., & Amaral, L. (2014). A Gestão do Conhecimento Organizacional no contexto dos Serviços Partilhados. CAPSI - Conferência da Associação Portuguesa de Sistemas de Informação. Santarém.

Prusak, L. (1997). Knowledge in Organizations. Washington: Butterworth Heinemann.

Quinn, B., Cooke, R., & Kris, A. (1999). Shared Services: Mining for Corporate Gold. London: Prentice-Hall -Financial Times.

Quivy, R., & Van Campenhoudt, L. (1998). Manual de investigação em ciências sociais.

Roos, G., & Roos, J. (1997). Measuring your company’s intellectual performance. Long Range Planning, Vol. 30 No. 3, p. 325.

Roos, G., Pike, S., & Fernstrom, L. (2005). Managing intellectual capital in practice. Elsevier Publications.

Schulman, D., Harmer, M., Dunleavy, J., & Lusk, J. (1999). Shared services: Adding Value to the Business Units. New York: JOHN WILEY & SONS, INC.

Stewart, T. (1997). Intellectual Capital: The New Wealth of Organizations. New York: Doubleday/Currency.

Sullivan, P. H. (2000). Value-driven Intellectual Capital. Wiley.




DOI: http://dx.doi.org/10.18803/capsi.v16.424-442

Apontamentos

  • Não há apontamentos.