OntoSINAES: Uma Rede de Ontologias para o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior no Brasil

Cleiton Silva, Orlando Belo

Resumo


Usualmente as ontologias não são estudadas como sistemas isolados. Do ponto de vista da engenharia de ontologias, qualquer ontologia deve estar organizada de forma a poder se integrar uma rede de ontologias. Porém, isso nem sempre é simples. Em determinadas situações é necessário explicitar a forma como a rede de ontologias é constituída e documentar como é que isso pode ser realizado. Neste trabalho pretendemos analisar e discutir o papel de uma rede de ontologias para a publicação de dados abertos e conectados na Web a partir da realidade empírica do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior no Brasil. Para isso, iremos neste artigo descrever resumidamente o domínio desse sistema de avaliação, bem como o processo de avaliação das instituições de educação superior, de forma a podermos demonstrar a relevância da formalização explícita das relações que garantem a interligação das ontologias dentro da rede e enfatizarmos a importância da metodologia de engenharia de ontologia para o êxito de projetos neste contexto.


Texto Completo:

PDF

Referências


Alcantara, W., Bandeira, J., Barbosa, A., Lima, A., Ávila, T., Bittencourt, I., & Isotani, S. (2015). Desafios no uso de Dados Abertos Conectados na Educação Brasileira. In Anais do DesafiE-4o Workshop de Desafios da Computação Aplicada à Educação. CSBC.

Allocca, C., D’Aquin, M., & Motta, E. (2009). Door: Towards a formalization of ontology relations.

Almeida, M. B. (2013). Revisiting Ontologies: A Necessary Clarification Mauricio. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 14(4), 90–103. doi:10.1002/asi

Barreyro, G. B., & Rothen, J. C. (2006). SINAES contraditórios: considerações sobre a elaboração e implantação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Educação & Sociedade, 27(96), 955 977.

Belloni, I. (2003). A Educação Superior na nova LDB. In BRZEZINSKI, I. (Org.). LDB interpretada: diversos olhares se entrecruzam. (pp. 9–57). São Paulo: Cortez.

Berners-Lee, T. (2000). Semantic Web - XML2000. Retrieved May 12, 2000, from https://www.w3.org/2000/Talks/1206-xml2k-tbl/

Berners-Lee, T. (2007). Looking back, looking forward: The process of designing things in a very large spaces. Inaugural Lecture, Southampton University.

Berners-Lee, T. (2009). Linked Data.

Berners-Lee, T., Hall, W., Hendler, J. A., O’Hara, K., Shadbolt, N., & Weitzner, D. J. (2006). A framework for web science. Foundations and trends in Web Science (2006th ed., Vol. 1). Boston: Now Publishers Inc.

Berners-Lee, T., Hendler, J., & Lassila, O. (2001). The Semantic Web. A new form of Web content that is meaningful to computers will unleash a revolution of new possibilities. Scientific American, 284(5), 1–5.

Bortolato, F. (2014). Ligando Dados Governamentais Abertos: uma ontologia do Processo Legislativo de São Paulo Dissertação. Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo.

BRASIL. (2004). Lei 10.861, de 14 de abril de 2004. Brasília.

BRASIL. (2014a). Nota Técnica No 14 /2014 CGACGIES/DAES/INEP/MEC. Brasília.

BRASIL. (2014b). Nota Técnica no 65/2014 INEP/DAES/CONAES. Brasília.

D’Aquin, M. (2012). Modularizing ontologies. In Ontology Engineering in a Networked World (pp. 213–233). Springer.

Dias Sobrinho, J. (2010). Avaliação e transformações da educação superior brasileira (1995-2009): do provão ao Sinaes. Avaliação: Revista Da Avaliação Da Educação Superior (Campinas), 15, 195–224. doi:10.1590/S1414-40772010000100011

Diaz, A., Motz, R., & Rohrer, E. (2011). Making ontology relationships explicit in a ontology network. AMW, 749.

Dutton, W. H. (2013). Internet studies: The foundations of a transformative field. The Oxford Handbook of Internet Studies.

Fernández-López, M., & Gómez-Pérez, A. (2004). Searching for a time ontology for semantic web applications. Proceedings of the Formal Ontology in Information Systems. Third Interntacional Conference (FOIS 2004).

Firmino, H. N. M. (2013). Organização e Publicação dos Termos do Website da ANACOM sob uma Perspetiva Linked Open Data. Universidade do Minho.

Gruber, T. R. (1993). A Translation Approach to Portable Ontology Specifications. Knowledge Systems Laboratory (Vol. 5). Stanford. doi:http://dx.doi.org/10.1006/knac.1993.1008

Guarino, N. (1995). Towards Very Large Knowledge Bases: Knowledge Building & Knowledge Sharing.

Guarino, N., & Giaretta, P. (1995). Ontologies and Knowledge Bases Towards a Terminological Clarificatio. Towards a Very Large Knowledge Bases; Knowledge Building and Knowledge Sharing, 25–32.

Guizzardi, G. (2005). Ontological Foundations for Structural Conceptual Models. CTIT, Centre for Telematics and Information Technology, Enschede.

Hall, W., & Tiropanis, T. (2012). Web evolution and Web science. Computer Networks, 56(18), 3859–3865.

Horrocks, I. (2002). DAML+OIL: A Description Logic for the Semantic Web. IEEE Data Engineering Bull., 25(1), 4–9.

Luckesi, C. C. (2011). Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. São Paulo: Cortez. Noy, N. F., & McGuinness, D. L. (2001). Ontology development 101: A guide to creating your first ontology. Development, 32, 1–25.

O’Hara, K. (2013). Web Science: Understanding the Emergence of Macro-Level Features on the World Wide Web. Foundations and Trends® in Web Science, 4(2–3), 103–267. doi:10.1561/1800000017

O’Hara, K., & Hall, W. (2011). Web Science and Reflective Practice. Common Knowledge: The Challenge of Transdisciplinarity, 205.

Pinto, R. S. (2015). Meta-avaliação: uma década do processo de avaliação institucional do SINAES. Universidade Federal de Santa Catarina.

Silva, D. L. Da. (2008). Uma proposta metodológica para construção de ontologias: uma perspectiva interdisciplinar entre as Ciências da Informação e da Computação.

Suárez-Figueroa, M. C. (2010). NeOn Methodology for building ontology networks: specification, scheduling and reuse. Informatica.

Suárez-Figueroa, M. C., Gómez-Pérez, A., Motta, E., & Gangemi, A. (2012). Ontology engineering in a networked world. Springer Science & Business Media.




DOI: http://dx.doi.org/10.18803/capsi.v16.324-335

Apontamentos

  • Não há apontamentos.