Posicionamento das Instituições de Ensino Superior no processo de dinamização de Massive Open Online Courses

Beatriz Matos, Dora Simões, João Batista

Resumo


Os Massive Open Online Courses – MOOC – apresentam-se como um modelo recente de ensino e aprendizagem, sendo aplicado em vários países do mundo, principalmente nos Estados Unidos da América e na Europa. Embora se trate de um modelo recente, as diferentes formas como se apresentam têm vindo a permitir responder a diferentes objetivos das instituições que os promovem. Dentre estes objetivos, a formação ao longo da vida, o reconhecimento da marca institucional e a perspetiva tecnológica são os focos principais desta investigação, no contexto das Instituições de Ensino Superior Portuguesas (IESPP). O presente trabalho visa assim clarificar o posicionamento das IESPP face ao processo de dinamização deste modelo de ensino a distância. O estudo incide sobre oito instituições, recorrendo à entrevista telefónica semiestruturada como instrumento de recolha de dados. Os resultados apontam para que o reconhecimento da marca seja uma das principais motivações das IESPP na dinamização de MOOC, recorrendo a este modelo de ensino para atrair e reter estudantes.


Texto Completo:

PDF

Referências


Biao, I. (2015). Lifelong learning as an instrument for human capital development in Benin. International Review of Education, 61(5). 631 653. Consultado a 10 de outubro de 2015, em http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11159-015-9520-y

Conole, G. (2013). MOOCs as disruptive Technologies: strategies for enhancing the learner experience and quality of MOOCs. RED – Revista de Educación a Distancia, 39. 1-17.

Drever, E. (2003). Using Semi-Structured Interviews in Small-Scale Research. (V. Wilson & J. Lewins, Eds.). Glasgow.

EMMA. (n.d.). European Multiple MOOC Aggregator. Consultado a 10 de março de 2016, em http://plataform.europeanmoocs.eu/#

Gonçalves, B., & Gonçalves, V. (2014). MOOC: uma estratégia de captação de alunos? Instituto Politécnico de Bragança, 8. Consultado a 14 de março de 2016, em http://sensos-e.ese.ipp.pt/?p=6334

Haber, J. (2014). MOOCs. MIT Press.

Jansen, D., & Schuwer, R. (2015). Institutional MOOC strategies in Europe. Status Report Based on a Mapping Survey Conducted in October-December 2014. Mimeo.

Martins, J. (2013). Oportunidades e desafios das redes sociais nas perspectivas social, organizacional e política. (Dissertação de mestrado). Instituto Politécnico do Cávado e do Ave - Escola Superior de Tecnologia.

Montes, R., Gea, M., Bergaz, R., & Rojas, B. (2014). Generating lifelong learning communities and branding with Massive Open Online Courses. Information Resources Management Jou rnal (IRMJ), 27(2), 27-46.

Peters, M. E., Uible, E., & Chisolm, M. S. (2015). A Twitter Education: Why Psychiatrists Should Tweet. Current psychiatry reports, 17(12), 1-6. Consultado a 17 de janeiro de 2016, em http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11920-015-0635-4

Pires, I. (2013). Tecnologias Emergentes e Novas Práticas Pedagógicas: REAs, MOOCs e o Papel do Professor. Universidade Aberta. Consultado a 8 de outubro de 2015, em https://repositorioaberto.uab.pt/handle/10400.2/3095

Yuan, L., & Powell, S. (2013). MOOCs and Open Education: Implications for Higher Education. Cetis, 19. Consultado a 21 de fevereiro de 2016, em http://publications.cetis.au.uk/2013/667




DOI: http://dx.doi.org/10.18803/capsi.v16.263-268

Apontamentos

  • Não há apontamentos.